SOCIEDADE BRASILEIRA PARA
O ESTUDO DE QUIRÓPTEROS

 

Brazilian Bat Research Society

 

AMAZÔNIA

Amazônia. Foto: Sébastien Goldberg

Página em Construção

CAATINGA

Formação vegetal sazonalmente seca, com vegetação adaptada a escassez de água, como cactáceas, bromélias e uma gama de outras plantas espinhosas e caducifólias. 

Atualmente são conhecidas pelo menos 82 espécies de morcegos nesse bioma. 

Boqueirão da Onça, Sento Sé, Bahia (Foto: Patrício Rocha)

CAMPOS SULINOS

A vegetação natural do sul do Brasil é um mosaico de campos, vegetação arbustiva e diferentes tipos florestais. Na região sul do Brasil, ocorrem pelo menos 70 das 182 espécies de morcegos dadas para o Brasil  

Campo nativo na Serra do Caverá, Fazenda Cerro dos Porongos.  Alegrete, RS (Dez. 2014). Foto: Flavia Tirelli

CERRADO

Considerado a savana de maior biodiversidade do mundo, é composto por um mosaico contínuo de diferentes fitofisionomias que vão desde campos até florestas de dossel fechados. O Cerrado brasileiro apresenta pelo menos 118 espécies de morcegos.

Cerrado  - Chapada dos Veadeiros - Goiás . Foto: Andre Dib

MATA ATLÂNTICA

Bioma heterogêneo composto majoritariamente por florestas tropicais úmidas, florestas sazonalmente secas, campos de altitude e vegetação arbustiva de restinga. A Mata Atlântica é reconhecidamente um dos biomas mais biodiversos do mundo. Neste bioma ocorrem 98 espécies de morcegos de oito famílias.

Mata Atlântica. Foto: Roberto L.M. Novaes

PANTANAL

A vasta planície inundável do Pantanal é uma formação recente e central na América do Sul, que abriga espécies originárias de diferentes partes do continente. Chiroptera é a ordem de mamíferos mais rica no Pantanal, representada por pelo menos 65 espécies.

Pantanal - Nhecolândia, Corumbá - MS (Foto: Olivier Grunewald)

2020 SBEQ