COMITÊ DE SAÚDE PÚBLICA
Debora C. de Oliveira

Este comitê tem como propósito, facilitar e estimular a vigilância epidemiológica de doenças associadas aos morcegos evidenciando o papel destes como sentinelas tendo como objetivo principal a vigilância em saúde pública e o equilíbrio dos ambientes, uma vez que em ambientes saudáveis a presença de agravos de saúde diminui. Os membros deste comitê estarão disponíveis para esclarecer dúvidas quanto a zoonoses e doenças transmitidas por vetores associadas aos morcegos e contribuir para o estabelecimento de parcerias para estudos de circulação de patógenos em áreas naturais e urbanas.

 

Objetivos Específicos:

  • Facilitar a obtenção de dados epidemiológicos, atendendo os princípios do SUS, pelos pesquisadores e população;

  • Divulgar a necessidade da vacina pré-exposição para Raiva para mastozoólogos e estudantes e contribuir para a avaliação sorológica destes profissionais com a periodicidade necessária;

  • Estabelecer protocolos de coletas de materiais para estudo de zoonoses e doenças transmitidas por vetores associadas aos morcegos;

  • Elaborar material paradidático informativo sobre zoonoses e doenças transmitidas por vetores associadas aos morcegos;

  • Oferecer cursos de capacitação para identificação de morcegos coleta de amostras biológicas e encaminhamento adequado para estudo de patógenos para vigilâncias e divisões de zoonoses de outros municípios e para mastozoólogos em geral, com apoio da SBEQ.

Figura 1. Curso de identificação de quirópteros ministrado pela MSc. Adriana Ruckert. (Foto: H. Filho).
Figura 2. Coleta de material biológico em fluxo laminar de morcego no  Labzoo- DVZ - PMSP. (Foto: M.F. Almeida).
Figura 3. Processamento de amostras por técnicas moleculares no LabZoo/DVZ. (Foto: M.F. Almeida).

Bibliografia sugerida:

  1. Comparative pathogenesis of rabies in bats and carnivores, and implications for spillover to humans (Begeman et al., 2018).

  2. One Health messaging about bats and rabies: how framing of risks, benefits and attributions can support public health and wildlife conservation goals (Lu et al., 2016).

  3. A One Health Message about Bats Increases Intentions to Follow Public Health Guidance on Bat Rabies (Lu et al., 2016).

  4. Diversity of bats trypanosomes in Hydroeletric area of Belo Monte in Brazilian Amazonia (da Costa et al., 2016).

  5. Detection of spp. in Bats from an Area of Brazil Endemic for Visceral Leishmaniasis (Rezende et al., 2017).

  6. One Health: The Human-Animal-Environment Interfaces in Emerging Infectious Diseases (Mackenzie et al., 2013).

  7. Rabies in Man and Animals (Garg, 2014).

  8. Resolving the roles of immunity, pathogenesis, and immigration for rabies persistence in vampire bats (Blackwood et al., 2013).

  9. Detection of hantavirus in bats from remaining rain forest in São Paulo, Brazil (de Araujo et al., 2012).

  10. Rabies-Related Knowledge and Practices among Persons at Risk of Bat Exposures in Thailand (Robertson et al., 2011).

  11. The Contribution of Bats to Leptospirosis Transmission in São Paulo city, Brazil (Bessa et al., 2010).

  12. Isolation of from bats in the urban area of São Paulo State, Brazil (Dias et al., 2010).

  13. Serologic survey for rickettsiosis in bats from São Paulo (D’Auria et al., 2010).

  14. Detection of () and () in Brazilian bats (Savani et al., 2010).

  15. Updated List of Bats Species Positive for Rabies in Brazil (Sodré et al., 2010).

  16. Maintenance of the haematophagous bat in captivity for experimental studies on rabies (Almeida et al., 2009).

  17. Vaccinating the vampire bat  against rabies (Almeida et al., 2008).

  18. Experimental rabies infection in haematophagous bats (Almeida et al., 2005).

  19. Indirect oral immunization of captive vampires,  (Almeida et al., 2005).

 

Outras referências úteis:

  1. Organização Pan-Americana da Saúde – Organização Mundial da Saúde.

  2. Prefeitura Municipal de São Paulo – Animais Sinatrópicos.

  3. Prefeitura Municipal de São Paulo - .

  4. Manual de manejo e controle de morcegos urbanos na cidade de São Paulo, 2017.

Siglas:

  1. DVZ – Divisão de Vigilância em Zoonoses

  2. PMSP – Prefeitura Municipal de São Paulo

  3. LSSE – Laboratório de Sistemática Ecologia e Evolução

  4. UFMS – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

  5. Labzoo – Laboratório de Zoonoses e Doenças Transmitidas por Vetores

  6. UMC – Universidade de Mogi das Cruzes

Como citar informações desta página: Aires, C.C.; Rosa, A.R.; Oliveira, D.C.; Urbieta, G.L.; Cortez, T.L. & Almeida, M.F.. 2018. Comitê de Saúde Pública. SBEQ 2018.v1.<http://www.sbeq.net/saupublic>acessado em:

2020 SBEQ