SOCIEDADE BRASILEIRA PARA
O ESTUDO DE QUIRÓPTEROS

 

Brazilian Bat Research Society

 

Conheça Nossa Equipe

Nossos Objetivos

Este comitê tem, por objetivo geral, a implementação do bom uso dos métodos bioacústicos para o estudo de quirópteros no Brasil. Os membros deste comitê estarão disponíveis para auxiliar os sócios da Sbeq sobre qualquer aspecto relacionado com o tema, seja em relação a equipamentos, projetos e/ou cursos.

Objetivos específicos:

Coordenar a elaboração de protocolos de estudos em bioacústica;

Criar uma biblioteca nacional de vocalizações de morcegos brasileiros; 

Ofertar cursos de introdução à bioacústica, apoiados institucionalmente pela Sbeq;

Criar um credenciamento Sbeq para pessoal capacitado em análise bioacústica de morcegos.

Biblioteca de Sons

Amazônia
Caatinga
Campos Sulinos
SBEQ

Em Breve

A biblioteca de sons da SBEQ tem como objetivo principal suportar o uso de métodos acústicos para o estudo de morcegos no Brasil. Com esta biblioteca pretendemos aumentar a capacidade de coletar, compilar e preservar gravações de morcegos brasileiros, assim como promover o uso dessas gravações para diversos fins tais como pesquisa científica, trabalhos técnicos e educação ambiental. Neste momento, a nossa biblioteca conta com 221 gravações pertencentes a 32 taxa distintos em 4 biomas brasileiros.

 

Embora de livre acesso, a utilização de gravações desta biblioteca para fins de publicação científica e/ou comercial carece de autorização prévia do Comitê de Bioacústica da SBEQ e de cada um dos seus coletores originais. Se desejar contribuir com arquivos para esta biblioteca, por favor contacte-nos através do e-mail acustica.sbeq@gmail.com.

Acesse AQUI o nosso catálogo das gravações com metadados.

 

Todos os arquivos de sons do nosso catálogo estão disponíveis abaixo. Acesse o link SBEQ de cada bioma para ter acesso a pasta e fazer download dos arquivos.

Cerrado
Mata Atlântica
Pantanal
SBEQ

Em Breve

Bibliografias Sugeridas

  1. Identificação Acústica de Morcegos Neotropicais (Comitê de Bioacústica Sbeq, Março 2018);

  2. Who’s calling? Acoustic identification of Brazilian bats (Arias-Aguilar et al., 2018);

  3. Who’s calling? Acoustic identification of Brazilian bats (lIlustrated identification key to the calls of Brazilian Bats) (Arias-Aguilar et al., 2018)

  4. Guia de identificação dos morcegos da Amazônia (com chave de ID acústica) (López-Baucells et al., 2016);

  5. Bats Are Not Birds: A Cautionary Note on Using Echolocation Calls to Identify Bats: A Comment (Barclay, 1999);

  6. Don’t believe the mike: behavioural, directional, and environmental impacts on recorded bat echolocation call measures (Ratcliffe & Jakobsen, 2018); 

  7. Use of ultrasound detectors for bat studies in Europe: experiences from field identification, surveys, and monitoring    (Ahlén & BaagØe, 1999);

  8. Uma nota de precaução sobre a identificação automática de chamados de ecolocalização de morcegos no Brasil  (Hintze et al., 2016);

  9. Guidelines For Consideration Of Bats In Environmental Impact Assessment Of Wind Farms In Brazil: A Collaborative Governance Experience From Rio Grande Do Sul State (Pereira et al., 2017);

  10. Bioacoustics as an Important Complementary Tool in Bat Inventories in the Caatinga Drylands of Brazil (Silva & Bernard, 2017);

  11. Bat Bioacoustics (Fenton et al., 2016);

  12. Ecological and Behavioral Methods for the Study of Bats (Kunz & Parsons, 2009);

Outras referências úteis:

  1. Unravelling the calls of discrete hunters: acoustic structure of echolocation calls of furipterid bats (Chiroptera, Furipteridae) (Falcão et al., 2015);

  2. Patterns in the use of rainforest vertical space by Neotropical aerial insectivorous bats: all the action is up in the canopy (Marques et al., 2015);

  3. Emballonuridae Gervais, 1855 (Chiroptera) of Reserva Biológica de Saltinho (Atlantic Forest), in Brazil, revealed by echolocation (Hintze et al., 2016);

  4. Aerial insectivorous bat activity in relation to moonlight intensity (Appel et al., 2017);

  5. Feeding and social activity of insectivorous bats in a complex landscape: The importance of gallery forests and karst areas (Dias-Silva et al., 2017);

  6. Geographical variation in the high-duty cycle echolocation of the cryptic common mustached bat Pteronotus cf. rubiginosus (Mormoopidae) (López-Baucells et al., 2017);

  7. Molecular, morphological and acoustic identification of Eumops maurus and Eumops hansae (Chiroptera: Molossidae) with new reports from Central Amazonia (López-Baucells et al., 2017).

Como citar informações desta página:

Hintze, F;  Bernard, E.; Aguiar, L.; Pereira, M.J.; Bobrowiec, P. & Falcão, F. 2019. Comitê de Bioacústica. SBEQ 2019.v2.<http://www.sbeq.net/bioacustic>acessado em: