Perguntas frequentes (FAQ) sobre morcegos, coronavírus e doenças zoonóticas

 

Estamos monitorando as notícias e informações sobre o novo coronavírus em expansão (nCoV-2019) que foi detectado pela primeira vez em Wuhan, China. Na medida em que os morcegos foram envolvidos na cobertura midiática, estamos fornecendo este FAQ para ajudar nossa comunidade e membros a interpretar e navegar pelas informações em desenvolvimento e entender por que os morcegos são mencionados.

 

O que causou o surto de nCoV-2019?

 

Acredita-se que um mercado de animais selvagens vivos em Wuhan, na China, seja a fonte do atual surto de nCoV-2019. Os mercados de animais selvagens vivos são locais onde os animais vivos, incluindo animais selvagens capturados ilegal e legalmente, são empilhados em gaiolas, abatidos e vendidos como alimento. As espécies de animais selvagens vendidas em mercados vivos são diversas – incluindo espécies de morcegos, civetas, roedores, cobras, aves e muitos outros animais silvestres. Estes animais são vendidos junto com animais domésticos, como galinhas, porcos, cães, etc. As condições desses mercados são condições estressantes e insalubres para os animais, e também para as pessoas, aumentando a chance de diferentes patógenos, incluindo vírus, se espalharem de um hospedeiro animal para outro e para humanos (consulte O que é uma doença zoonótica? abaixo).

 

Atualmente não sabemos exatamente como o patógeno nCoV-2019 passou do seu hospedeiro animal para humanos. Especificamente, não sabemos se a transmissão viral para humanos envolveu contato direto com um animal selvagem, morcego ou outro, vendido em mercados de vida selvagem na China. Também existe a possibilidade de a disseminação viral ocorrer por meio de contato com animais fora do mercado de Wuhan e ter sido introduzida no mercado por pessoas infectadas.

 

Por que os morcegos são mencionados nas notícias sobre o coronavírus de Wuhan?

 

Um estudo divulgado em 23 de janeiro de 2020 no bioRxiv.org por pesquisadores chineses do Instituto de Virologia de Wuhan mostra que o nCoV-2019 compartilha 96% de seu genoma com coronavírus do tipo SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave). Os morcegos, especificamente os da família Rhinolophidae na China (grupo de morcegos que não ocorre no Brasil), parecem ser os reservatórios naturais de coronavírus semelhantes ao SARS. É provável que os morcegos sejam o reservatório original do nCoV-2019, mas parece provável que um hospedeiro intermediário, eventualmente vendido no mercado de Wuhan, possa estar envolvido na transmissão direta às pessoas, tal como sugerido em um artigo publicado a 30 de janeiro de 2020 por pesquisadores de diversas instituições chinesas de pesquisa, incluindo por exemplo o Laboratório de Biosegurança do Instituto Nacional Chinês de Controlo e Prevenção de Doença Viral, em colaboração com o Instituto Marie Bashir de Doenças Infecciosas e Biosegurança, da Universidade de Sydney, na Austrália.

 

Porém, todos os trabalhos e pesquisadores são unânimes ao afirmar que, se não forem perturbados ou manuseados por pessoas, os morcegos portadores de coronavírus na natureza não são uma ameaça à saúde humana!

 

O New York Times publicou este artigo explicando por que os morcegos carregam tantos vírus e por que mais pesquisas são tão importantes.

 

O que é uma doença zoonótica e o que é um evento de repercussão?

Uma doença zoonótica é uma doença que se espalha de uma população animal para humanos. Um patógeno (por exemplo, um tipo específico de vírus ou bactéria) pode ocorrer naturalmente em uma população animal reservatório, com pouco ou nenhum efeito prejudicial nos animais que o transportam. Um evento de transmissão ocorre quando o patógeno é transmitido a um novo hospedeiro, como outra espécie animal ou diretamente aos seres humanos. A disseminação de patógenos em novos hospedeiros às vezes pode causar um surto de doença no novo hospedeiro e também pode levar a uma rápida mutação ou aumento da virulência. Esses eventos de transmissão geralmente requerem contato próximo com fluidos corporais de animais em condições insalubres.

 

Como a conservação e a saúde global estão vitalmente ligadas?

 

Os mercados de animais vivos e o tráfico de animais selvagens estão no centro dessa ameaça global à saúde. A Wildlife Conservation Society emitiu uma declaração pedindo o encerramento de todos os mercados de animais vivos na China. Há uma proibição temporária de mercados de animais vivos na China, mas sem um encerramento permanente, permanece o risco de futuros eventos de transmissão a humanos.

 

Como David Quammen intitulou em seu artigo do New York Times em 28 de janeiro: "Nós criamos a epidemia de coronavírus". Especificamente, conseguimos fazê-lo através da destruição ecológica insustentável e do tráfico perigoso e devastador e do comércio ilegal de animais silvestres para consumo humano.

 

Num artigo da National Geographic, o Dr. Kevin Olival, da EcoHealth Alliance, aponta para o encerramento e limpeza mercados de vida selvagem como uma solução em que todos saem ganhando: “Uma intervenção, que é bastante simples, é reduzir o comércio de vida selvagem e limpar os mercados de vida selvagem. Reduzir o comércio de animais silvestres tem um efeito em que todos saem ganhando, protegendo as espécies que são colhidas na natureza e reduzindo a propagação de novos vírus. ”

 

Como a pesquisa com morcegos é importante para a saúde humana?

 

O estudo de doenças zoonóticas, incluindo a identificação de reservatórios de animais silvestres para patógenos, aumenta nossa compreensão e capacidade de prever e prevenir eventos de transbordamento zoonótico. Maiores conhecimentos sobre virologia, imunologia e ecologia dos morcegos são de importância crucial para o desenvolvimento de estratégias para informar a conservação e os resultados globais da saúde humana. Além disso, o estudo da imunologia dos morcegos pode nos ajudar a entender nosso próprio sistema imunológico e novas formas de combater doenças. Este artigo da NewScientist  revela que, longe de infectar seres humanos, os morcegos parecem guardar segredos para melhorar nossa saúde e longevidade!

 

O que é One Health?

 

A abordagem One Health, em português Saúde Única, reconhece que a saúde pública está inextricavelmente ligada a ambientes saudáveis. “One Health é definida como uma abordagem colaborativa, multissetorial e transdisciplinar - trabalhando nos níveis local, regional, nacional e global - com o objetivo de alcançar resultados ideais para a saúde, reconhecendo a interconexão entre pessoas, animais, plantas e seu ambiente compartilhado.” - Centro para o Controle de Doenças dos EUA.

 

Se as suas dúvidas sobre coronavírus ou outras doenças zoonóticas aparentemente associadas a morcegos persistirem, não hesite em os contatar pelo e-mail: sbeq.duvidas@gmail.com

2020 SBEQ